André explica “Dinizismo” no Fluminense: “É muito mais do que ter a posse de bola”

Um dos destaques do Fluminense na temporada, o volante André participou nesta segunda-feira do programa Tá Na Área do sportv, após a vitória por 1 a 0 em cima do Botafogo, e falou sobre o “Dinizismo”. Segundo o volante, que declarou ser muito fã do trabalho do técnico Fernando Diniz, o trabalho do treinador vai muito além da posse de bola.

– Eu já admirava o trabalho dele. Mas trabalhando com ele foi algo diferente. Ele é diferente. É muito mais do que ter a posse de bola como todo mundo fala. É muito mais com isso. Todo mundo fala que o time toca a bola para o lado e não acontece nada. Na verdade, por exemplo, no jogo de ontem e contra o Cruzeiro. Tivemos a posse e fomos agressivos. Ontem, nosso time ficou em cima. Pressionamos quando perdíamos a bola, sem tomar risco de sofrer gol. Não só a posse de bola, mas o time dele é muito agressivo. É muito além disso. 

– Além de ser fora da curva, ele tem um lado muito humano. Ele olha muito para o jogador, principalmente os que não estão jogando, que não estão em fase muito boa. Ele procura ajudar bastante. Foi assim com o Luiz Henrique. Tinha acabado de ser vendido, tínhamos sido eliminados na Libertadores. Ele puxou o Luiz e não foi à toa que nos últimos jogos ele está sendo um dos melhores atacantes de lado do Brasil. O Fred é um ídolo, um cara que me ajudou demais. Ele tentou o máximo para o Fred continuar com a gente, não sei o que vai acontecer, mas o Fred tem sido muito importante para nós.

André, Chay e Del Piage em ação em Botafogo x Fluminense — Foto: André Durão/ge

André também recorda que começou atuando como atacante, mas que a concorrência era grande no setor ofensivo de Xerém.

– Eu cheguei de centroavante. Era só o João Pedro e o Marcos Paulo (disputando posição). Tinha o Rafael Navarro também. Eu cheguei em 2013, vindo do Bahia. Eu tinha baixa estatura também. Fui disputar um campeonato lá no interior, acabei sendo artilheiro. O goleiro Ricardo Correia acabou gostando de mim. Me trouxe para cá, mas a concorrência era difícil. Aí só fui descendo, aí em 2015 acabei como volante (risos).

Com contrato renovado até 2025, André também comentou a permanência no clube.

– Eu sou muito feliz aqui (no Fluminense). Eu procuro deixar essas (transferência para a Europa) para o lado de fora. É claro que todo mundo que sobe da base quer jogar na Europa. Mas eu penso no dia a dia, jogo a jogo. Nosso time está passando por uma transformação muito boa. Nos últimos jogos estamos sendo destaques pela forma ofensiva. Acredito que esse período de renovação vai ser bom para mim, até por experiência, e se surgir alguma proposta boa para mim e para o Fluminense é chegar mais preparado lá ainda. É viver o dia a dia e seja o que Deus quiser.

Vindo de três vitórias consecutivas, o Fluminense terá a semana livre para trabalhar. O time volta a campo para encarar o Corinthians, no sábado, às 16h30 (de Brasília), pelo Brasileirão. Com a vitória sobre o Botafogo, o Tricolor chega aos 21 pontos na competição e segue na sexta posição.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.