Amazônia brasileira emitiu mais carbono do que absorveu na década de 2010

Entre os anos de 2010 e 2019, a Amazônia brasileira liberou mais carbono na atmosfera do que absorveu. Foram 4,45 bilhões de toneladas de carbono emitidas e 3,78 bilhões de toneladas absorvidas. A constatação é de um estudo que foi publicado na revista científica Nature na última 5ª feira (29.abr.2021).

O estudo (eis a íntegra, para assinantes) mostra que a atividade humana e os eventos climáticos são os principais responsáveis pela degradação da floresta e consequente emissão do gás do efeito estufa.

A degradação é um processo no qual as características das florestas são alteradas pela atividade humana. Essa alteração faz com que a expectativa de vida das árvores diminua. Mas, diferente do desmatamento, a floresta não é destruída.

Os processos também podem se somar. Ou seja, parte da floresta é desmatada para se transformar em pasto ou em construções e parte é degradada pela atividade humana e por eventos provocados pelas mudanças climáticas.

No caso da Amazônia, que está 60% dentro de território brasileiro, os 2 fenômenos se complementam. A degradação está ligada ao desmatamento, que enfraquece zonas da floresta e as deixam expostas, de acordo com o estudo.

Essa fragilidade de partes da Amazônia brasileira que faz com que as emissões de carbono por degradação sejam significativas. Em um comunicado, Stephen Sitch, coautor do estudo e pesquisador do Instituto de Sistemas Globais de Exeter, no Reino Unido, afirma que a situação é uma ameaça para o futuro da floresta.

Todos nós sabemos a importância do desmatamento da Amazônia para as mudanças climáticas globais”, afirmou. “Nosso estudo mostra como as emissões dos processos de degradação florestal associados podem ser ainda maiores.

Para Sitch essa é uma questão que precisa de atenção imediata. O estudo publicado na Nature fez um mapeamento por meio de tecnologias de satélite e novas técnicas de monitoramento do desmatamento desenvolvida pela Universidade de Oklahoma. O pesquisador afirma que mais estudos do tipo precisam ser realizados para que se possa ter um quadro completo da “ameaça para a integridade futura da floresta“.

Segundo as análises da pesquisa, a Amazônia brasileira perdeu 3,9 milhões de hectares em 2019. Isso representou uma alta significativa em relação aos anos anteriores. Em 2017 e 2018, o desmatamento tinha sido de 1 milhão de hectare em cada ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: