Agrotóxicos lançados de avião ferem crianças em área de disputa no Maranhão

Ao ouvir o ruído do avião, André, 7 anos, correu para fora de casa vibrando de alegria. Estava curioso porque nunca tinha visto uma aeronave de perto e aquela sobrevoava baixo o suficiente para enxergar o piloto dentro. Correndo atrás do avião, sentiu gotículas caírem sobre o seu corpo. E então a sua alegria acabou. André começou a sentir uma coceira tão persistente que não conseguiu dormir. A pele amanheceu seca, com caroços. Manchas vermelhas se abriram em feridas e ele ficou — e partes da pele estão— em carne viva. Em vídeo enviado por sua mãe, é possível ver feridas abertas na sua cabeça, nas mãos, nos pés e nas pernas.

André foi banhado por agrotóxicos em 22 abril, terceiro dia em que uma aeronave agrícola sobrevoou a comunidade rural do Araçá, município de Buriti, no Maranhão. Ao ver a cena, Edimilson Silva de Lima, presidente da associação de moradores, pensou que um desastre estava em curso. Dos 80 moradores, ele contou ao menos oito com sintomas de intoxicação como coceiras, febre e manchas pelo corpo, mas é possível que mais gente tenha se intoxicado.

Uma delas é a mãe de André, Antônia Peres, que sentiu coceira após a pulverização. A aeronave passou tantas vezes naqueles dias que ela tinha que tomar banho correndo. “Não aguentava de tanta coceira”, diz.

Os moradores suspeitam que o avião foi contratado pelo produtor de soja Gabriel Introvini, que tem histórico de conflitos com comunidades da região. Segundo Diogo Cabral, advogado da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos, o avião vinha de uma terra alugada por Introvini. Diversas denúncias feitas pelas comunidades e até uma operação da polícia apontam ele e seu filho, André Introvini, como responsáveis por desmatamento ilegal do Cerrado, roubo de terras e tentativas de expulsar os moradores.

O conflito já dura cerca de quatro anos. As comunidades estavam na região antes da chegada das plantações de soja e viram o Cerrado ser desmatado para dar lugar à monocultura. Hoje, fazendas fazem fronteira com as casas. “Já temos um conflito agrário e, agora, eles jogaram veneno em cima das casas. É uma guerra química contra essas famílias”, afirma Cabral. Uma “gigante tragédia”, na avaliação de 50 organizações do terceiro setor, entre elas a Associação Brasileira de Saúde Coletiva, que monitora casos.

A Repórter Brasil entrou em contato com os dois fazendeiros e enviou o conteúdo da denúncia por e-mail, mas não obteve resposta. Segundo o Canal Rural, a família Introvini se divide para plantar soja no Maranhão e em Mato Grosso.

Essa não é a primeira vez que os moradores respiram veneno. Há anos as comunidades locais relatam os efeitos da intoxicação. Dessa vez, porém, elas relatam que receberam ameaça de funcionário da família Introvini sobre o uso de agrotóxicos como arma para intimidação. “Recebi um recado que eles iam colocar o veneno pior que eles tivessem na porta da minha casa pra que eu não suportasse e desocupasse a área”, afirma o agricultor Vicente de Paulo Costa Lira, morador da comunidade de Carrancas, próximo a Araçá e que também foi atingido.

Após a pulverização, ele, sua esposa e três netos sentiram falta de ar, vômito e diarreia. O advogado Diogo Cabral e o padre Francisco das Chagas Pereira, coordenador do Programa de Assessoria Rural da Diocese de Brejo, são testemunhas do forte odor quando estiveram na casa de Lira em 19 de abril, um dia após a aplicação no local. “A gente quase não suportava o cheiro do agrotóxico”, afirma o padre.

O problema não é isolado no Maranhão. Crescem as denúncias de comunidades rurais com sintomas de intoxicação devido a agrotóxicos pulverizados por aviões por fazendeiros que têm interesse na sua saída. Como as plantações fazem fronteira com as casas, o vento leva a nuvem de veneno para as áreas habitadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: