fbpx

Abraçado por Diniz e com a bênção de Felipe, Riquelme começa a virar realidade no Vasco

Apesar da derrota, um jogador ganhou pontos no sábado, contra o Sampaio Corrêa. Titular pelo segundo jogo seguido, Riquelme começa enfim a se firmar no elenco profissional do Vasco. Desde muito novo o lateral, de 19 anos, gera muita expectativa no clube. E a promessa, aos poucos, começa a virar realidade.

Apontado como um dos atletas da base do Vasco com maior potencial nos últimos anos, o nome de Riquelme há algum tempo está na boca dos vascaínos. Especialmente pela carência na lateral esquerda, o jovem constantemente era apontado como uma eventual solução para o setor.

Geralmente, no entanto, seu porte físico franzino surgia como justificativa para quem achava precoce lançar o jogador. Antônio Mello, preparador físico que trabalhou no início do ano com Vanderlei Luxemburgo, chegou a dizer no início de 2021 que o lateral ainda não tinha atingido a maturidade física para atual pelo profissional, em entrevista ao “Atenção, Vascaínos”.

Riquelme Vasco Sampaio Corrêa — Foto: Rafael Ribeiro/Vasco da Gama

Riquelme foi incorporado ao elenco profissional pela primeira vez em abril de 2019, aos 16 anos, logo após o vice-campeonato da Copa São Paulo. Na época passou a treinar no time de cima, que tinha Alberto Valentim como treinador. Foi uma espécie de transição. Apesar de participar das atividades com os mais velhos e ser relacionados para alguns jogos, o jovem lateral seguia à disposição do time sub-20. E foi assim até o ano passado.

Lançado por Cabo e esquecido por Lisca

Quem lançou Riquelme neste ano foi Marcelo Cabo. Após o rebaixamento para Série B, o Vasco dispensou Henrique e Neto Borges, trouxe Zeca e viu a oportunidade de aproveitar Riquelme. O lateral esteve em constante avaliação, mas a possibilidade de contratar um outro lateral sempre esteve em pauta no Vasco. O clube chegou a ser cobrado para ir ao mercado trazer um jogador para a posição. O volante Michel, hoje lesionado, foi contratado por também saber fazer a lateral, na opinião de Marcelo Cabo.

Lesionado no início da temporada, Riquelme ficou fora do time sub-20 que representou o Vasco no início do Carioca deste ano. A estreia aconteceu na 8ª rodada, na vitória por 4 a 2 sobre o Bangu, em São Januário, com direito à assistência para Tiago Reis. Riquelme, no entanto, teve que esperar para ter sequência.

Abraçado pelo elenco e confiança de Diniz

Ele teve chances esporádicas com Marcelo Cabo, mas não as aproveitou. Discreto, foi tímido no ataque – sua maior qualidade – e deixou a sensação de que não estava pronto. Em seguida, com Lisca, sequer jogou. Quem acompanha Riquelme de perto acredita que faltava confiança para o jovem, encabulado em meio aos profissionais. Confiança que recebeu de forma imediata de Fernando Diniz.

O treinador revelou que logo ao chegar ao Vasco, em seu primeiro dia de trabalho, puxou Riquelme para um papo particular e teve uma conexão instantânea com o lateral. O jovem havia perdido o avô José Manoel por Covid-19 há pouco tempo. Contra o Goiás, jogou com uma camisa com a foto do avô por baixo do uniforme e deu o passe para o gol de Morato. Enquanto quase todo time correu para comemorar com o atacante, Riquelme foi em direção a Diniz, deu um forte abraço no treinador e se emocionou.

– Nos aproximamos logo no primeiro dia da minha chegada. Tivemos uma conexão imediata. Ele é um jovem talentoso e que tem um futuro brilhante pela frente – disse Diniz.

De fato, o treinador apostou em Riquelme. Se com seu antecessor Lisca o jovem não jogou, o lateral foi titular com Diniz em seu segundo jogo à frente do Vasco, no empate com Cruzeiro, em São Januário, quando Zeca estava suspenso. Depois teve chances de começar contra Goiás, Confiança e Sampaio Corrêa. Ou seja, foi titular em quatro das seis partidas de Diniz à frente do Vasco, até o momento.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

A confiança e os conselhos, no entanto, não chegam somente de Fernando Diniz. Riquelme está sempre próximo aos mais experientes do grupo, que costumam lhe dar dicas. Casos de Castan, Nenê, Romulo e Léo Matos, por exemplo. O grupo abraçou o garoto. E o resultado tem sido visto em campo.

Contra o Sampaio, apesar da derrota, Riquelme foi um dos destaques. Mais solto e confiante, errou em alguns momentos, mas passaram por seus pés, especialmente no primeiro tempo, algumas das principais jogadas do Vasco. Ele também fez uma bonita jogada de efeito quando se livrou de dois marcadores com um drible desconcertante (veja no vídeo acima). Nos acréscimos da etapa final, o lateral ainda sofreu um pênalti, desperdiçado por Nenê.

Inspiração e elogios do ídolo Felipe

Técnico do Bangu e referência de Riquelme, Felipe elogiou início do lateral no profissional do Vasco — Foto: Caio Almeida / Bangu AC

Natural de Barra Mansa, município no Sul do Rio de Janeiro, Riquelme recebeu esse nome em homenagem ao ex-craque argentino, de quem seu pai, Wescley, era fã. O jovem, no entanto, tem outra referência no futebol: Felipe Maestro, lateral revelado pelo Vasco na década de 90, que fez história e conquistou títulos em São Januário na lateral e como meia.

– Peguei o final da carreira dele como meia no Vasco, não o acompanhei como lateral. Meu pai é vascaíno doente, fãzaço do Felipe. Meu pai sempre falava para eu ficar vendo os vídeos do Felipe. Inclusive quando comecei a jogar de lateral, meu pai começou a me dar instruções: “Assiste aos vídeos do Felipe porque às vezes o ponta vem fechando a lateral, você corta para o meio. Quando ele fechar o meia, você dá no ponta e faz um-dois”. Essa arrastada que eu tenho para o meio foi bastante por causa dos vídeos dele. Quando a bola vem, o ponta vai fechar o fundo. Como eu sou rápido e habilidoso, tenho a facilidade de cortar para o meio e fazer a tabela – revelou Riquelme, em entrevista no início do ano.

Hoje técnico do Bangu, Felipe falou sobre o processo de amadurecimento do lateral, elogiou o início de Riquelme no profissional do Vasco e desejou sorte.

– O Riquelme é um jovem sobre quem escutamos falar já há algum tempo como uma grande promessa da base do Vasco. Nas oportunidades que teve no time de cima já deixou claro que tem qualidade. Ainda precisa passar por um processo de amadurecimento, que é natural, mas a expectativa em cima dele é muito boa. Espero que ele consiga conquistar seus sonhos e se firmar com a camisa do Vasco num futuro próximo – disse Felipe.

É impossível afirmar que a titularidade de Riquelme é definitiva, é provável que o jovem ainda oscile. Mas é fato que o lateral, após vários anos como aposta, passou a ser visto de vez como uma peça do elenco para a engrenagem do elenco. Agora é com ele. Com a confiança de Diniz e do grupo, cabe ao jogador se firmar. Talento para isso, há muito tempo, ele já mostrou que tem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: