Tragédia ambiental: a cada hora, surgiram 11 novos focos de incêndio no Pantanal durante o mês de setembro

As queimadas que atingem o Pantanal em 2020 são as piores da sua História, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que analisa a região desde 1998. O bioma teve o setembro mais ardente já medido, com 8.106 focos de incêndio, o que dá uma média de 11 novos focos registrados a cada hora. O número é quase o triplo dos 2.887 registrados no mês do ano passado, quando o fogo sem controle atraiu a atenção internacional para a maior planície alagada do mundo e motivou uma força-tarefa do Corpo de Bombeiros.

De 1º de janeiro a 30 de setembro, foram registrados 18.259 focos de incêndio no Pantanal. Ainda restando três meses, 2020 já ultrapassou o ano em que o bioma sofreu a maior devastação — em 2005, foram 12.536 queimadas, 45,6% a menos do que agora. A Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil estima que a região permanecerá vulnerável a uma estiagem severa nos próximos cinco anos, o que deve agravar o problema.

A contratação de brigadistas do Ibama em 2020 só foi concluída no fim de julho, quando a temporada de queimadas no Pantanal já estava em franca expansão. Em anos anteriores, essa contratação era normalmente concluída entre os meses de abril e junho.

O Inpe também divulgou nesta quinta-feira (1º) o balanço atualizado de queimadas na Amazônia, que teve o segundo pior setembro da década, com 32.017 focos de incêndio, atrás apenas deste mês em 2017. No acumulado do ano, o bioma já registrou 76.030 queimadas, a maior parte entre julho e setembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TV Prefeito