Suspeita de liderar esquema de corrupção, Cristina Kirchner fica em silêncio durante depoimento

A ex-presidente da Argentina e atual senadora, Cristina Kirchner, compareceu na manhã desta segunda-feira (13) a um tribunal para prestar esclarecimentos sobre o processo chamado pela imprensa de “Cadernos da Corrupção”, mas se recusou a responder às questões do juiz federal Claudio Bonadio, segundo a imprensa argentina.

Ela ainda entregou um documento para pedir a nulidade do processo que investiga a suspeita de que ela liderou um esquema de corrupção com membros do governo e empresários para desviar milhões de dólares de obras públicas. Cristina argumenta que desconhecia o esquema.

Suspeita

Investigações apontam que Kirchner e o marido, Néstor — que também governou a Argentina entre 2003 e 2007 e morreu em 2010 — receberam bolsas de dinheiro obtido por meio de construtoras e empresas de energia.

O escândalo veio a público depois que uma reportagem do jornal argentino “La Nación” divulgou que o motorista Oscar Centeno, do Ministério do Planejamento, descreveu minuciosamente a rota do dinheiro sujo do kirchnerismo em oito cadernos escolares. Ele era o responsável pela entrega das sacolas com a propina.

Após a divulgação dos cadernos, o juiz Claudio Bonadio decretou a prisão de 12 empresários e ex-funcionários do governo. Ele também pediu, pela segunda vez, que o Senado, que tem maioria kirchnerista, retire o foro privilegiado da ex-presidente, atualmente senadora pela Unidade Cidadã.

Cadernos da corrupção

Ainda segundo as investigações, entre 2005 e 2015, Oscar Centeno, motorista de Roberto Baratta, braço direito do ministro do Planejamento (Julio de Vido), registrou o sistema de recepção e de entrega de malas de dinheiro que tinham como destino final a residência presidencial e a casa particular dos Kirchner.

No que seria uma espécie de “diário da corrupção”, Centeno anotou cada movimento com riqueza de detalhes: datas, horários, placas de carros, nomes, endereços e montantes. Algumas vezes fotografou e filmou. O dinheiro era recolhido semanalmente e teria sido entregue aos Kirchner em mãos.

Esses oito cadernos da corrupção apresentam o mapa completo do delito, da origem ao destino. Mais de vinte empresas participaram do circuito que teria movimentado mais de US$ 160 milhões de dólares. Mas esse montante e os próprios cadernos são agora passado. O pacto de silêncio foi quebrado e foi denunciado um esquema muito mais amplo que envolveria todas as obras públicas, de acordo com a Rádio França Internacional.

A situação da ex-presidente se complicou ainda mais depois que o empresário Ángelo Calcaterra, primo do atual presidente, Mauricio Macri, e ex-dono da construtora IECSA, disse ter pago subornos durante os governos Kirchner.

Outros casos

Este é mais um escândalo com o qual a ex-presidente argentina Cristina Kirchner se vê envolvida. Em novembro de 2017, ela foi acusada em um caso de lavagem de dinheiro envolvendo negócios imobiliários de sua família.

Também no ano passado, um juiz federal pediu a prisão preventiva de Cristina Kirchner sob acusação de acobertar criminosos iranianos envolvidos no atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia).

A ex-presidente da Argentina negou envolvimento em ambos os casos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *