Secretaria de Saúde promove ações de combate à Sífilis em Duque de Caxias

A Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil de Duque de Caxias, através do Programa Municipal de IST/AIDS e Hepatites Virais, promove ações educativas e de saúde pelo Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita, comemorado no terceiro sábado de outubro. As ações acontecem nos dias 21/10, na UPH de Imbariê; e dia 04/11, na UPH de Xerém, das 9h às 13h.

Além da prevenção à Sífilis, a campanha também aproveita para divulgar a acessibilidade aos Testes Rápidos nas unidades da rede municipal de saúde de Duque de Caxias.

Este ano o slogan da campanha é #sífilisnão – Teste/Trate/Cure – você pode ter e não saber. As ações têm como objetivo lembrar as pessoas sobre a importância da prevenção, do diagnóstico e do tratamento da sífilis. A campanha tem como alvo as gestantes e suas parcerias sexuais, e a população sexualmente ativa em geral e profissionais de saúde.

A doença
A sífilis é uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pallidum. Podem se manifestar em três estágios. Os maiores sintomas ocorrem nas duas primeiras fases, período em que a doença é mais contagiosa. O terceiro estágio pode não apresentar sintoma e, por isso, dá a falsa impressão de cura da doença. Todas as pessoas sexualmente ativas devem realizar o teste para diagnosticar a sífilis, principalmente as gestantes, pois a sífilis congênita pode causar aborto, má formação do feto e/ou morte ao nascer. O teste deve ser feito na 1ª consulta do pré-natal, no 3º trimestre da gestação e no momento do parto (independentemente de exames anteriores). O cuidado também deve ser especial durante o parto para evitar sequelas no bebê, como cegueira, surdez e deficiência mental.
Tratamento
Quando a sífilis é detectada, o tratamento deve ser indicado por um profissional da saúde e iniciado o mais rápido possível. Os parceiros também precisam fazer o teste e ser tratados, para evitar uma nova infecção da mulher. No caso das gestantes, é muito importante que o tratamento seja feito com a penicilina, pois é o único medicamento capaz de tratar a mãe e o bebê. Com qualquer outro remédio, o bebê não estará sendo tratado. Se ele tiver sífilis congênita, necessita ficar internado para tratamento por 10 dias. O parceiro também deverá receber tratamento para evitar a reinfecção da gestante e a internação do bebê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TV Prefeito