São Gonçalo ganha Centro de Referência da Cidadania LGBTI

“Um marco histórico na luta pela garantia de direitos”, essa foi a frase que marcou o pontapé inicial dos trabalhos no primeiro Centro de Referência Especializado na Promoção da Cidadania LGBTI, em São Gonçalo. O encontro, que reuniu as equipes técnicas da Secretaria de Desenvolvimento Social e diferentes representantes dos movimentos sociais da cidade, teve como objetivo pensar junto à população o desenvolvimento do CREAS LGBTI, que ofertará assistência psicológica, atendimento a casos de homofobia, auxílio na mudança do nome social e acolhimento em todo caso de violação de direitos a população LGBTI.
“Eu só tenho a agradecer a presença dos movimentos sociais aqui hoje, pois é com cada um deles que nós construímos política pública efetiva. Me sinto muito feliz em poder coordenar esse espaço tão importante na minha cidade. O município estava em dívida com a população lgbti, e hoje demos um passo muito importante. Não é hora de esmorecer, é hora de lutar, e para isso estamos aqui”, afirmou Monica Santana, coordenadora do Creas.
O Brasil é o país que mais mata lésbicas, gays, bissexuais, trans e travestis no mundo, sendo uma a cada 25 horas. O Rio de Janeiro é o quinto estado com o maior índice de crimes de ódio contra a população LGBT, e em São Gonçalo não é diferente. Com uma população de mais de 1 milhão de habitantes, os desafios se mostram ainda maiores na construção de políticas efetivas entre o Governo e a sociedade civil.
“Eu considero de extrema importância estarmos aqui reunidos principalmente em um contexto político que não se mostra favorável à garantia de direitos. A iniciativa da abertura de um centro de referência sinaliza para os movimentos que constroem a luta lgbt em São Gonçalo, que as portas começam a se abrir para que o poder público cumpra o seu papel. Com os movimentos sociais participando efetivamente, podemos construir a restauração da cidadania dessa população que vem sendo preterida e marginalizada historicamente. Hoje é a resposta de que a nossa luta está sendo ouvida”, disse Bruna Benevides, presidenta do Conselho LGBT de Niterói e vice-presidenta do grupo Diversidade Niterói.
São Gonçalo possui cinco CREAS, localizados nos bairros Vista Alegre, Jardim Catarina, Arsenal, Luiz Caçador e Mutondo. As unidades oferecem serviços de apoio e orientação especializados a indivíduos e famílias vítimas de violência física, psíquica e sexual, negligência, abandono, ameaça, maus tratos e discriminações sociais. No atendimento especializado no Mutondo, a população LGBT terá acesso a alteração do nome social, junto ao Comitê de subregistro; assessoria jurídica nos casos de violação de direitos e acompanhamento psicológico.
“Hoje a gente dá um pontapé inicial nessa luta que estamos construindo desde outubro junto aos movimentos sociais. Muitos trabalhos, muitas conversas e articulações. Tive a honra de participar desse processo e hoje só posso agradecer a oportunidade de vê-lo ser colocado em prática em São Gonçalo”, relatou a assistente social Nathalia Carlos.
A presidente do Grupo Liberdade/Santa Diversidade, que existe há 16 anos na luta pelos direitos LGBT em São Gonçalo, Stefani Brasil,  ressaltou a importância da ampliação das redes de proteção com o novo CREAS.
“O grupo liberdade está muito satisfeito com esse centro de referência. Estamos nessa luta há 15 anos e esse foi um grande prêmio a nossa cidade. Um centro de referência que vai abrir portas e acolher pode contar com nossa ajuda e parceria”, afirmou.
SERVIÇO
Creas LGBTI
Travessa Maria Cândida, 40, Mutondo
Telefone: (21) 3708-7920
e-mail: centrodereferencialgbtisg@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *