Quatro meninos são retirados de caverna na Tailândia no 2º dia de resgate

Mais quatro meninos foram retirados da caverna Tham Luang, na Tailândia, subindo para oito o número de resgatados na manhã desta segunda-feira (9), 2º dia de resgate, segundo a imprensa internacional, citando testemunhas. Quatro meninos e o seu treinador ainda permanecem na cavidade subterrânea, onde entraram no dia 23 de junho.

Os responsáveis pela coordenação das equipes de resgate ainda não confirmaram a informação oficialmente.

Os mesmos especialistas que participaram da primeira etapa de salvamento no domingo (8) retornaram à caverna.

Os quatro primeiros resgatados chegaram à superfície em segurança e em bom estado de saúde. Eles foram levados para o hospital da província de Chiang Rai, que fica a cerca de 70 km da caverna, onde permanecem internados em quarentena para evitar possíveis infecções. As autoridades estudam liberar a visita dos pais, segundo a CNN. Os garotos, que ainda não tiveram os nomes divulgados oficialmente, estavam com fome e pediram para comer um prato à base de arroz.

O quinto menino também já está no hospital e passa bem, segundo a BBC.

Boas condições para o resgate

O governador da província de Chiang Rai e coordenador da célula de crise, Narongsak Osatanakorn, afirmou que os trabalhos desta segunda começaram às 11h (no horário local, 1h de Brasília) e que as autoridades “esperam ouvir boas notícias nas próximas horas”.

No entorno da montanha, ambulâncias e helicópteros esperam pelos garotos. No domingo, após voltar à superfície os meninos foram para um hospital improvisado, montado perto da gruta, onde passaram pelos primeiros exames físicos. Depois, seguiram para o hospital da província de Chiang Rai.

Osottanakorn afirmou que 90 mergulhadores – 50 estrangeiros e 40 tailandeses – participaram da operação de domingo. Ele ajudaram a conduzir o grupo pelos trechos inundados da caverna Tham Luang, que está complemente no escuro.

O time de futebol “Javalis Selvagens”, integrado por 12 meninos com idades entre 11 e 16 anos e seu técnico de 25 anos, passou nove dias nas profundidades da caverna até que dois mergulhadores britânicos localizaram o grupo na segunda-feira (2). Abatidos, eles estavam sobre uma rocha a mais de quatro quilômetros da entrada da gruta.

Medo da tempestade

No início, as autoridades estudaram deixar o grupo dentro da caverna até o fim da estação chuvosa – o que significava que eles poderiam ficar presos por até quatro meses. Porém, o bombeamento constante de água para fora da cavidade e a interrupção das fortes chuvas contribuíram para que o nível da água abaixasse, possibilitando o resgate.

Uma das maiores preocupações das autoridades era a condição climática na região: nuvens escuras – típicas desta época do ano – permanecem sobre o norte montanhoso do país.

Choveu fraco neste domingo na região, porém a previsão do tempo indica que uma tempestade se aproxima e deve chegar à região da caverna em até 3 dias. Uma tempestade inundaria ainda mais a galeria e tornaria a situação ainda mais dramática.

A queda no nível de oxigênio na cavidade subterrânea e a elevação do dióxido de carbono também pressionaram as equipes abreviar o resgate.

As equipes começaram a esvaziar a área para a operação de resgate ainda no fim da noite de sábado. Foram desobstruídas a área no entorno da entrada caverna e também as estradas de acesso à região. Os mais de 1000 jornalistas que acompanham o resgate tiveram que se afastar da caverna.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *