Praias apresentam bons índices de balneabilidade

A qualidade da água das praias fluminenses tem apresentado melhoria nos últimos anos. Com a consolidação dos relatórios de balneabilidade realizados pelo Inea (Instituto Estadual do Ambiente), foi registrado aumento no número de boletins nos quais as praias são consideradas próprias para o banho. Em 2017, 73% dos boletins divulgados pelo órgão indicavam balneabilidade, enquanto que em 2016 esse percentual era de 69,2% e em 2015, 63%.

A análise realizada pelo Inea também mostra que houve melhoria da qualidade da água nas praias da Região dos Lagos. Em 2015, 78% dos boletins emitidos indicavam balneabilidade. Em 2016, o índice era de 85,1%. No ano passado, o percentual de boletins próprios chegou a 91%.

A equipe de técnicos do Inea monitora regularmente a qualidade da água nas praias em todo o estado. Na Região dos Lagos, esse monitoramento é feito quinzenalmente. Entre os fatores que podem afetar a balneabilidade de uma praia estão a infraestrutura sanitária da região, a localização geográfica da praia (praias no interior de baías, em lagoas e oceânicas), a pluviosidade (incidência de chuvas) e a proximidade com o deságue de rios e canais e de galerias pluviais.

O Inea monitora 201 praias no Estado do Rio de Janeiro. O trabalho é realizado por técnicos que percorrem todo o litoral coletando amostras de água do mar. O material é colhido na superfície em pontos com nível médio de profundidade de um metro, onde a maioria dos banhistas se concentra. Para fazer a coleta, os técnicos utilizam frascos esterilizados, com boca larga, tampa de rosca e com o mínimo de 200 ml de capacidade. Após a coleta, as amostras são preservadas a uma temperatura de 4°C e analisadas no laboratório do instituto em, no máximo, 24 horas.

A avaliação das condições de balneabilidade das praias é feita com base na resolução CONAMA 274/2000, onde são verificados os níveis de bactérias de origem fecal (coliformes fecais ou enterococos) nessas amostras coletadas de água. Uma praia é considerada imprópria para banho quando dois ou mais resultados dos cinco últimos se encontram acima de 1.000NMP/100mL de coliformes ou 100NMP/100mL de enterococos; ou quando o último resultado se apresenta acima de 2.500NMP/100mL de coliformes ou 400 NMP/100mL de enterococos. A NMP é uma unidade de medida e significa Número Mais Provável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: