Países do G20 chegam a acordo para avançar com reforma da OMC

Os países do G20 chegaram nesta sexta-feira (14) a um acordo sobre uma reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC), durante a reunião ministerial de Comércio e Investimentos em Mar del Plata, na Argentina.

Ministros de comércio do grupo disseram em comunicado conjunto que há uma “necessidade urgente” de melhorar a Organização Mundial do Comércio (OMC) para enfrentar os desafios atuais e futuros.

O documento não deu detalhes sobre possíveis reformas na OMC ou como as conversas sobre o comércio estão se desenvolvendo.

Os ministros disseram estar “intensificando o diálogo” sobre disputas comerciais internacionais, em um momento em que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prepara tarifas sobre mais US$ 200 bilhões em produtos chineses.

“Obviamente as novas medidas tarifárias não são positivas”, disse o ministro do Trabalho e Produção da Argentina, Dante Sica, na coletiva de imprensa após a reunião. “Mas nós precisamos ver como as coisas se desenvolvem.”

“É claro que todos compartilhamos (a ideia de) que é extremamente importante e peremptório que possamos encontrar respostas para que a OMC possa ser mais reativa aos desafios que o comércio tem hoje”, disse o chanceler argentino, Jorge Faurie, em coletiva de imprensa.

O ministro da Argentina, país que preside o G20 este ano, informou que durante as deliberações foram expostas “as visões dos principais atores do comércio internacional para realizar esta reforma e que é o que pode e deve ser reformado e o que será preservado”.

 

O documento final do conclave reafirma o papel do G20 como “a plataforma para o diálogo político” entre seus membros, que lembraram a necessidade de se redobrar o esforço “de todos para assegurar que os benefícios do comércio e os investimentos internacionais sejam compartilhados por todos”.

 

Esta é a primeira vez que os Estados Unidos concordam sobre a urgência de uma modernização da OMC, ressaltou o secretário francês de Assuntos Estrangeiros, Jean Baptiste Lamoyne, que representou a França na reunião ministerial.

“O interessante é que conseguimos uma declaração ministerial, algo que não havia sido possível durante o G20 de dezembro”, disse Lemoyne à AFP.

O ministro do Trabalho argentino, Dante Sica acrescentou na coletiva que um acordo de livre-comércio entre a União Europeia e o Mercosul está “nos estágios finais de negociação”, com um acordo provável até o final do ano.

Guerra comercial

Estados Unidos e China vem trocando a ameaças e impondo barreiras comerciais mútuas há algum tempo.

O governo Trump exigiu que a China reduzisse o seu superávit com os EUA, de US$ 375 bilhões, e suspendesse políticas voltadas para a aquisição de tecnologia e propriedade intelectual norte-americanas, além de seus subsídios industriais de alta de tecnologia.

Trump, inclusive, ameaçou retirar os EUA da OMC. A China pediu uma reforma da organização para tornar o comércio global mais justo e efetivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *