Mesquita abre 20 novas vagas no Espaço de Reabilitação e Desenvolvimento da Criança

Em fevereiro, a Secretaria Municipal de Saúde de Mesquita abre 20 novas vagas no Espaço de Reabilitação e Desenvolvimento da Criança. O setor é responsável pelo atendimento cognitivo/neurológico para reabilitação e adaptação infantil de crianças com até 12 anos de idade. Com esse aumento de vagas, o espaço terá cerca de 150 pacientes ativos. Só no ano passado, foram registrados 2.878 atendimentos – 49% dos casos relacionados a pacientes com transtorno do espectro autista (TEA).

Temos um atendimento multidisciplinar que envolve profissionais de fonoaudiologia, psicologia e terapia ocupacional. Cada faixa etária e transtorno recebe um tratamento diferenciado, com atividades voltadas para aquela idade e questão”, explica o terapeuta ocupacional João Carlos de Oliveira.

É o caso de Adriel, que completa sete anos no próximo dia 11. O menino começou a frequentar o Espaço de Reabilitação e Desenvolvimento da Criança há cerca de um mês. “Tenho dois filhos e o Adriel é o meu caçula. Estamos aqui duas vezes por semana e tenho ficado feliz com o resultado. Ele gosta bastante daqui, fica à vontade e adora o João”, elogia Derli Jardim dos Santos, moradora da Chatuba.

Grupos reduzidos

Há algum tempo, a equipe do Espaço de Reabilitação e Desenvolvimento da Criança já pensava em uma forma de ampliar a quantidade de horários disponíveis para atendimento. A alternativa encontrada para ampliar as vagas em fevereiro foi juntar crianças que já vêm sendo assistidas há algum tempo pelos profissionais em grupos reduzidos. Com isso, eles conseguem ajudar a romper outra barreira na rotina desses pacientes.

Um dos nossos objetivos é também socializar essas crianças. E, para isso, o contato com grupos menores de outras crianças é importantíssimo. Já pensávamos em adotar essa estratégia e, com ela, foi possível criar espaços de horários vagos para recebermos novos pacientes”, comenta a psicóloga Elouise Azevedo.

Familiares amparados

Nem todas as famílias conseguem lidar bem com a chegada de uma criança especial. Porém, a socialização e a evolução do paciente dependem também de como se dá a interação dos parentes com ele. Na Secretaria Municipal de Saúde de Mesquita, os responsáveis pelos menores atendidos no Espaço de Reabilitação e Desenvolvimento da Criança também têm acesso a um atendimento especializado, com psicólogo.

Nós sempre indicamos quando percebemos que é algo fundamental para garantir bons resultados no atendimento realizado com a criança. Mas, infelizmente, nem todos os pais e responsáveis aceitam. Muitos simplesmente não querem conversar sobre o assunto, se sentem incomodados. Às vezes, com o tempo, nós conseguimos convencê-los a mudarem de ideia, mas não é sempre que acontece”, lamenta a psicóloga Aline Cardoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: