Endividamento de famílias não diminui no Rio

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), aponta que o percentual de famílias no Estado do Rio de Janeiro com dívidas em junho praticamente se manteve estável em relação ao mês de maio, passando de 60,2% para 60,1%.

Porém, comparado a junho de 2017, quando o indicador estava em 58,8%, houve aumento no total de famílias com dívidas. Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio (Fecomércio-RJ), o dado indica aumento da confiança das famílias para efetuar compras parceladas e financiamentos, em relação ao ano passado.

A pesquisa considera como endividada as famílias que possuem contas ou dívidas contraídas com cheques pré-datados, cartões de crédito, carnês de lojas, empréstimos pessoais, compra de imóvel ou prestações de carro e de seguros.

O levantamento mostra que entre as famílias endividadas, houve também diminuição daquelas com contas ou dívidas em atraso, passando de 30,2% em junho de 2017 e de 25,2% em maio deste ano para 23,9% do total em junho de 2018.

Da mesma forma, também caiu a proporção de famílias fluminenses que declararam não ter condições de honrar suas contas ou dívidas atrasadas. Em junho, a pesquisa apontou 9,7% das famílias nestas condições, ante a 11,2% em maio e 14,1% em junho de 2017.

Para Fecomércio-RJ, o indicador de endividamento mais elevado deste ano em relação ao ano passado, em oposição à diminuição da inadimplência, reflete a tendência de crescimento do consumo das famílias. Tal fato impacta no aumento da contratação de crédito (financiamentos e parcelamentos) para aquisição de bens.

A Federação avalia que esta retomada de consumo, produção e de investimentos pode ser acelerada com a queda dos juros e com a diminuição das metas de inflação, anunciadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) na última semana.

Cartão de crédito – A pesquisa mostra que o principal tipo de dívida no Rio de Janeiro é o cartão de crédito, para 75,3% das famílias. Em seguida, são listados também o empréstimo pessoal (11,8%), carnês (10,8%), financiamento de automóvel (10,1%), financiamento de casa (9,4%), cheque especial e pré-datado (7,4%) e empréstimo consignado (6,5%).

O percentual de famílias fluminenses que se declararam muito endividadas foi de 13,1%, enquanto aquelas com pouco endividamento ficaram em 17,4%. O tempo médio de endividamento das famílias é de 7,1 meses, sendo que a maior parte (30,8%) está comprometida por mais de um ano. Em seguida, 24,1% estão comprometidas em até três meses; 21% entre três e seis meses; e 20,3%, entre seis meses e um ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *