Diretoria da Nissan decide nesta quinta o destino de Carlos Ghosn

O conselho de administração da Nissan se reúne nesta quinta-feira (22) para decidir sobre a demissão seu emblemático presidente Carlos Ghosn, detido em Tóquio por suspeita de sonegação e fraude fiscal, uma situação inimaginável há alguns dias para o homem que salvou a montadora japonesa.

A reunião acontecerá na sede do grupo, em Yokohama, com duração previ

A portas fechadas, seis homens e uma mulher decidirão o destino do até agora CEO da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi Motors, que foi detido na segunda-feira em Tóquio.

Desde então, Ghosn permanece em silêncio em uma cela de um centro de detenção da capital japonesa.

A Nissan, onde o executivo começou a construir seu império em 1999, se prepara para demiti-lo do cargo de presidente do conselho de administração.

De acordo com uma fonte próxima à diretoria do grupo, qualquer outro cenário é improvável. “A proposta não seria submetida à votação se existisse qualquer dúvida”, declarou.

Hiroto Saikawa, diretor executivo da montadora desde abril de 2017, coordenará os debates. A decisão será tomada com os braços erguidos e quatro votos serão suficientes para destituir Ghosn.

A princípio um substituto interino será designado, provavelmente Saikawa, que já foi o braço direito de Ghosn, mas que criticou o executivo duramente na segunda-feira.

Além disso, a Procuradoria deve conceder uma entrevista coletiva. As revelações sobre as atividades do executivo de 64 anos não param de ser divulgadas pela imprensa nipônica.

Oficialmente, o franco-brasileiro de origem libanesa é acusado de ter, ao lado de cúmplices, “minimizado seus rendimentos em cinco oportunidades entre junho de 2011 e junho de 2015”, declarando ao fisco uma renda de 4,9 bilhões de ienes (37 milhões de euros), ao invés de quase 10 bilhões de ienes.

Também é suspeito de abuso de bens sociais, de acordo com uma investigação interna da Nissan nos últimos meses.

Quem é Ghosn?

Brasileiro, natural de Porto Velho (RO), Ghosn foi presidente da montadora japonesa entre 2001 e 2017. Ele deixou o cargo no ano passado para cuidar das parcerias com Renault e Mitsubishi, montadora que foi adquirida após passar por escândalos de fraude e na qual ele era membro do conselho.

Apesar disso permaneceu como presidente do conselho na Nissan. Um raro executivo estrangeiro no topo da carreira no Japão, Ghosn é bem visto por ter tirado a Nissan da beira da falência.

sta de duas horas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TV Prefeito
%d blogueiros gostam disto: