Crivella faz abertura oficial de Feira para Pessoas Deficientes

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, abriu nesta sexta-feira, 7 de dezembro, a 2ª edição da Feira Cidade PCD, maior evento de inclusão, acessibilidade, orientação e mobilidade do Estado do Rio, no Centro de Convenções SulAmérica, na Cidade Nova. Entre as atrações do evento, está um estande da Prefeitura do Rio, onde são oferecidos serviços e apresentadas ações em favor das pessoas com deficiência.

– As pessoas com deficiência são prioridade para a Prefeitura. Quando entrei no governo, tínhamos 2.300 pessoas que tinham feito concurso para ser agente de apoio à Educação Especial. Estavam na fila. Chamamos todos. Temos 15 mil crianças com deficiência frequentando as escolas municipais, e não há um agente especial na fila mais. Estão todos trabalhando nas escolas da Prefeitura – declarou Crivella.

Marcos Salles, presidente do Universo PCD e organizador da feira, que começou nesta sexta-feira e vai até domingo, das 10h às 19h, com entrada franca, destacou a importância do evento na luta em favor das pessoas com deficiência:

– Não é fácil chegar a esse resultado aqui. Mas estamos empenhados em fazer com que a inclusão de fato aconteça. Em casa, na rua, na cidade, no estado, no país. Para que, de fato, as pessoas tenham como ir e vir – afirmou.

No estande da Prefeitura na Feira Cidade PCD, são divulgados projetos municipais. Um deles é o sinal de trânsito com dispositivo sonoro, da CET-Rio, que auxilia a travessia de cegos, já implantado diante do Instituto Benjamin Constant, na Urca. No fim de semana, haverá também orientação para a retirada de documentos e obtenção do RioCard (passe especial).  A Subsecretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SUBPD) manterá profissionais da Central Carioca de Intérpretes de Libras (Língua Brasileira de Sinais) à disposição do público. No estande, estará a artista plástica Ana Paula Rocha, que levará suas telas em alto relevo, recurso para facilitar a integração de cegos com a arte.

O Instituto Helena Antipoff, também da Prefeitura, levou para a feira a apresentação de recursos e materiais pedagógicos de acessibilidade, todos produzidos pelos próprios professores e oferecidos aos alunos da rede municipal de ensino. A Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Emprego e Inovação (SMDEI) participa com a intermediação de mão de obra e o agendamento para retirada da Carteira de Trabalho. No sábado e no domingo, a Guarda Municipal do Rio de Janeiro apresentará o Showdog, com ações usadas na cinoterapia, terapia com cães. Além de crianças atendidas na Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), este ano o projeto foi estendido a 200 idosos do Abrigo Cristo Redentor.

AGENTES DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

A Prefeitura tem atuado a favor das pessoas com deficiência. Em outubro deste ano, o prefeito Marcelo Crivella convocou os últimos 23 agentes de Educação Especial para auxiliar no atendimento a crianças com deficiência matriculadas na rede municipal de ensino do Rio. Com essa convocação, o prefeito zerou a fila de espera dos aprovados no concurso de 2014 e alcançou um feito inédito: a garantia de pelo menos um agente de apoio em cada uma das 1.537 escolas públicas do município.  No total, 2.274 agentes foram convocadas desde o início da atual gestão, dez vezes mais que nos três anos da administração anterior (210). A Secretaria Municipal de Educação atende 15.591 alunos com alguma deficiência, sendo 4.112 em classes e escolas especiais. Os agentes de Educação Especial prestam apoio nas atividades executadas pelo professor regente ou pela direção das escolas. Contribuem assim para que esses alunos tenham espaços de convivência adequados, seguros e propícios ao seu desenvolvimento e bem-estar social, físico e emocional.

CENTROS DE APOIO A PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Somente de janeiro a outubro deste ano, os Centros Municipais de Referência da Pessoa com Deficiência (CMRPD) fizeram em seis unidades mais de 72 mil atendimentos que englobam uma variedade de serviços, como fonoaudiologia, fisioterapia, terapia ocupacional, musicoterapia e oficinas de informática. Essas unidades são geridas pela Subsecretaria da Pessoa com Deficiência (SUBPD), que também administra três Centros de Convivência, onde foram realizados mais de sete mil atendimentos a usuários e seus familiares em atividades culturais, de inserção social, informação sobre serviços disponíveis e acompanhamento.  Equipes de Integração percorreram comunidades, onde atenderam 3.672 pessoas, identificando e matriculando usuários para os atendimentos de que necessitam. Essa ação é fundamental para pessoas que não podem sair de casa ou têm dificuldade de mobilidade para buscar tratamento.

AJUDA NO MERCADO DE TRABALHO 

No que se refere ao mercado de trabalho, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Emprego e Inovação (SMDEI) fechou o mês de novembro com 2.909 pessoas com deficiência encaminhadas para entrevistas de emprego este ano (5.104 incluindo os atendimentos de 2017).  Os nove Centros Municipais de Trabalho fazem o serviço de captação de vagas destinadas a deficientes disponíveis na cidade. Oferecem ainda serviço de orientação e encaminhamento para que esses postos sejam preenchidos.

ATIVIDADES ESPORTIVAS

O Centro Integrado de Atenção à Pessoa com Deficiência, na Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio, é um dos principais equipamentos esportivos voltados para PCDs. A unidade, administrada pela Subsecretaria de Esportes e Lazer oferece capoeira adaptada, dança adaptada, basquete adaptado, futsal adaptado, alongamento PCD, percussão/música de corda e outras atividades.

MAIS SOBRE A FEIRA CIDADE PCD

A Feira Cidade PCD, que chegou ao Rio em 2017, faz parte do calendário oficial de eventos do Rio. Organizada pela revista e site Universo PCD, a edição 2018 conta com parcerias do Senac e do Sesc e apoio da Prefeitura. Uma das atrações deste ano é a casa acessível com rampas, piso tátil, legendas e automação completa. Pela primeira vez, ela será mostrada ao público. Outra novidade é o OrCan MyEye, aparelho que oferece independência a pessoas com deficiência visual, déficit de leitura, dislexia e Síndrome de Down. A partir de gestos com as mãos, a peça faz a leitura de textos e imagens, tecnologia de Israel que a Cidade PCD traz para o Brasil.

Na programação estão incluídas palestras, terapias, balcão de empregos, shows, veículos adaptados e competições de esporte adaptado. A feira vai funcionar das 10h às 19h nos três dias. O roteiro das atividades está no site www.universopcd.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: