Capitã do Fluminense e motorista de aplicativo: a luta diária de Kelly para continuar no futebol

Segundo o relatório da Fifa, “Women’s Football Member Associations Survey Report 2019” (Relatório de Pesquisa da Associação de Membros do Futebol Feminino), no Brasil, apenas 15 mil mulheres jogam futebol de forma “organizada” – em campeonatos profissionais ou amadores. No entanto, boa parte das que disputam essas ligas não têm vínculo profissional com o clube, e sim uma ajuda de custo. É o caso de Kelly, capitã do Fluminense.

Assim como tanta atletas, a meio-campista é mais uma que encara a jornada dupla para completar sua renda. De manhã, treina com o elenco e, depois, começa a rotina como motorista de aplicativo (Uber e 99).

Antes de se tornar capitã do Tricolor, Kelly fez parte do elenco da seleção brasileira que conquistou o ouro no Pan-Americano de 2003, na República Dominicana, e a prata nas Olimpíadas de 2004, em Atenas. Após passagens por alguns clubes no Brasil, a atleta foi para a Coreia do Sul, onde ficou por apenas seis meses.

De volta ao Brasil, Kelly ainda insistiu no esporte, mas as dificuldades a fizeram abandonar o futebol por cinco anos e buscar emprego em outra área, antes de retornar para vestir a camisa tricolor a pedido da técnica Thaissan Passos.

– Nada mudava dentro do nosso Rio de Janeiro. Aí eu desisti… Consegui um trabalho. Quando a Thaissan assumiu a equipe Tricolor, recebi o convite e aceitei voltar aos gramados. Tive dificuldade no começo pela questão física e também porque não tinha como largar meu emprego, saía dos treinos e trabalhava depois – contou em conversa.

Com o retorno aos gramados, Kelly não conseguiu conciliar a carreira como atleta com seu antigo emprego formal. Por isso, buscou outra alternativa: se tornou motorista de aplicativo. Todos os dias após os treinos, a capitã trabalha até, mais ou menos, 19h. A rotina, segundo ela, é cansativa, mas necessária.

– Tem pessoas que ainda têm condições porque a família banca, que têm uma situação um pouco melhor, outras que ajudam em casa. Às vezes não é nem porque a gente quer, a gente acaba sendo “forçada” a tentar outros caminhos – disse e acrescentou:

“Não tem como a gente viver do futebol feminino ainda. A gente precisa trabalhar, estudar…”

No início do mês um novo obstáculo surgiu: a pandemia de Covid-19. Para evitar (e prevenir) a contaminação, grande parte do Brasil está em quarentena. Além disso, serviços não essenciais tiveram que fechar as portas e o transporte público passou a funcionar com capacidade reduzida. O impacto chegou também aos aplicativos de transporte. Kelly, por exemplo, precisou parar de trabalhar.

– Devido às paralisações e medidas de segurança da saúde, não estou mais trabalhando. É difícil, não sabemos como será essa pandemia que nos pegou de surpresa. Espero que tudo isso passe o mais rápido possível e o nosso país volte ao normal – contou.

Kelly em treino pelo Fluminense — Foto: Mailson Santana/FFC

A pandemia afetou não apenas a fonte de renda extra de Kelly, como também a preparação física. A temporada passada – a primeira desde o retorno ao esporte – serviu para que a atleta de 34 anos recuperasse o condicionamento físico. Com a paralisação do campeonato e a suspensão dos treinos, ela segue se exercitando em casa, assim como a maioria dos atletas vêm fazendo.

– A paralisação é ruim, pois acaba prejudicando todo o trabalho que foi feito até agora, mas é necessária pela saúde de todos. Estávamos nos ajustes finais da equipe, fizemos o primeiro jogo e saímos animadas, mas estamos mantendo a atividade física em casa.

Estrutura do futebol feminino

Apesar da dupla jornada ser comum no futebol feminino, Kelly afirma que conhece jogadoras que vivem apenas do esporte. Além disso, elogia o suporte do Fluminense, mas chama atenção para a instabilidade na modalidade:

– Ainda não é a realidade dentro do Rio, é tudo muito instável ainda. Alguns clubes do Brasil estão pagando muito bem e acredito que as meninas vivam só disso. O futebol carioca melhorou muito, o Fluminense vem nos dando todo suporte e estrutura para podermos trabalhar. Acredito muito no trabalho que o Fluminense está fazendo.

 
Kelly e Rayne comemoram gol do Fluminense sobre o Toledo — Foto: MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC

Para Kelly, hoje muitas atletas têm o “essencial” para disputar campeonatos. A jogadora acredita que o que está sendo feito hoje renderá frutos e condições melhores de trabalho para as próximas gerações.

– Se você pegar uma menina de 12 anos hoje, ela nem sabe quem foi que “ralou” lá atrás. Hoje eu estou colhendo um pouquinho melhor para que essas meninas de 12, 13, 14 anos colham muito melhor lá na frente. Talvez com salário mais digno, talvez com uma estrutura melhor, talvez você podendo viver somente disso (do futebol feminino) – e completou com um pedido:

“Precisamos de pessoas que acreditem no nosso trabalho e nos vejam como profissionais, como hoje o Fluminense vê, como a Amanda, nossa gerente, nos trata e vem acreditando no nosso trabalho. Precisamos de pessoas que vistam a camisa de verdade para que a modalidade cresça cada vez mais”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TV Prefeito