As melhores e as piores contratações do Brasileirão 2019

O GLOBO analisa contratações da temporada Foto: Marcelo Theobald/São Paulo FC/Daniel Perpetuo

Montar um elenco nem sempre é tarefa fácil, e variáveis como poderio financeiro, momento técnico dos jogadores e concorrência podem dificultar o processo de escolha de nomes para a temporada. A edição 2019 do Brasileirão mostrou que nem mesmo grandes nomes ou pesadas somas de dinheiro investido são garantias de sucesso.

O Cruzeiro , por exemplo, investiu pesado na montagem e manutenção de um elenco estrelado e acabou rebaixado. Enquanto isso, o campeão Flamengo abriu os cofres, trouxe as exatas peças que precisava e com a qualidade técnica necessária para passar por cima dos adeversários e terminar com pontuação recorde. Outros clubes que investiram pesado, o São Paulo e Palmeiras tiveram retornos insuficientes dentro de campo.

Enquanto isso, equipes como Vasco , Botafogo , Fluminense , Corinthians e Atlético-MG pinçaram bons valores durante as janelas de transferências, mas viram muitos — ou boa parte — dos seus contratados amargarem o banco de reservas ou ficarem fora da lista de relacionados ao longo do ano. Não à toa, os três primeiros viveram dramas contra a queda em determinados pontos do campeonato

O GLOBO analisou as contratações de algumas das principais equipes do Brasileirão e enumerou os erros e acertos, que podem servir de lições para as próximas temporadas.

Athletico

Um dos clubes mais precisos nas contratações, o Furacão gastou pouco e trouxe bons nomes para o elenco, que conquistou a Copa do Brasil.  Léo Cittadini , Marco Ruben ,  Madson  e Adriano , todos com baixo custo, fizeram boa temporada. O destaque negativo ficou com o jovem Abner , aquisição mais cara da história do clube, mas que pouco jogou no ano.

Atlético-MG

Mesmo perdendo a final do Mineiro para o rival, o Galo teve bom início de Brasileirão, mas viu a campanha desmoronar no pós-Copa América. Com um grande número de contratados, poucos nomes tiveram destaque.  Maicon ,  Geuvânio  e Vinícius pouco jogaram, e não tiveram bons números. Igor Rabello , Guga , Jair e Di Santo foram mais regulares e viraram peças importantes, mas também não encantaram.

Botafogo

Em temporada ruim, o clube montou um elenco que passou longe de agradar a torcida. Diego Souza e Cícero chegaram com a experiência a seu favor mas não fizeram grande ano com a camisa alvinegra. Contratado para brigar por vaga de referência no ataque, Victor Rangel terminou o ano com 14 jogos e nenhum gol pelo Botafogo. Biro Biro , que reforçaria o ataque, acabou nem atuando em virtude de um problema cardíaco.

O volante Jean começou com moral e perdeu espaço, enquanto Alan Santos , Ferrareis , Marcos Vinícius pouco entraram em campo. Por outro lado, o clube foi bem no mercado ao trazer o zagueiro Gabriel — que pode deixar a equipe — e o meia Alex Santana , ambos destaques da temporada. Diego Cavalieri proporcionou segurança e experiência no gol enquanto Gatito esteve fora por convocações.

Corinthians

No Corinthians, o técnico era o grande destaque no início do ano. Carille voltava do futebol árabe e criou muita expectativa ao afirmar que o elenco era superior ao de 2017, campeão brasileiro. No entanto, os resultados não vieram, e o técnico foi demitido antes do fim do ano. Um dos poucos destaques positivos foi o zagueiro Gil , repatriado junto ao futebol chinês. Nomes como  Boselli  (com dificuldades de se adaptar ao esquema de Carille),  Manoel ,  Ramiro e  Sornoza  ficaram abaixo do esperado.

Cruzeiro

Campeão mineiro, segunda melhor campanha da fase de grupos da Libertadores e invicto até o início do Brasileirão. O extracampo pesou para o Cruzeiro, e a fase da equipe virou completamente, terminando com o rebaixamento inédito. Contratações como  Orejuela ,  Pedro Rocha  e Dodô tiveram bons momentos, mas viram o seu futebol minguar junto com a má fase da equipe. Principal nome da temporada, Rodriguinho teve bom início, mas sofreu com uma lombalgia, passou por duas cirurgias e não joga desde maio.

Flamengo

Idealizado quase sob medida pelo Mister Jorge Jesus , que chegou no meio do ano, o Flamengo aproveitou o enorme poderio financeiro, foi cirúrgico e fez contratações de peso para suas pretensões na temporada. Pablo Marí foi a peça necessária para acertar a zaga rubro-negra, enquanto os artilheiros do Brasileirão Gabigol e Bruno Henrique se juntaram a Arrascaeta , Gerson , Rafinha, Rodrigo Caio, Filipe Luís como principais destaques na avassaladora temporada do campeão brasileiro. O único ponto baixo foi o jovem João Lucas , por falta de espaço na lateral direita.

Fluminense

Entre as muitas contratações feitas pelo Tricolor na temporada, algumas se revelaram verdadeiras joias. O volante Allan e o meia e lateral-esquerdo Caio Henrique — emprestados por Liverpool e Atlético de Madrid, respectivamente — foram destaques da temporada e serão disputados no mercado, enquanto Muriel e Nino viraram nomes de segurança no gol e nas defesa da equipe, respectivamente. Jogadores mais estrelados como Ganso , Nenê e Wellington Nem ficaram aquém do esperado em sua primeira temporada.

Na trilha das boas contratações, alguns jogadores desembarcaram este ano nas Laranjeiras e pouco atuaram: casos de Ewandro , Luccas Claro , Kelvin, Brenner , Léo Artur , Lucão e Léo Santos — que sofreu grave lesão. Yuri , por outro lado, virou boa peça de rotação do elenco.

Goiás

As apostas em grandes nomes deram errado: Walter , ídolo da torcida, teve a suspensão por doping ampliada e não pôde atuar, e os emprestados Guilherme e Giovanni Augusto pouco atuaram. O destaque positivo foi para a ótima temporada do goleiro Tadeu , aposta vinda da Ferroviária, e para o uruguaio Leandro Barcia , que jogou 35 partidas no Brasileirão, marcando cinco gols.

Grêmio

Sem grandes investimentos, o tricolor gaúcho fez boas apostas, e nomes como  Luciano  e  David Braz  deram retorno, mesmo não sendo titulares. A decepção ficou por conta de nomes conhecidos, que geraram grande expectativa na torcida, mas não corresponderam em campo, casos de Diego Tardelli , Felipe Vizeu ,  Rafael Galhardo  e  Júlio César .

Internacional

Outro clube que não teve muito sucesso nas negociações foi o Inter. Sem grandes contratações, os chamados coadjuvantes não conseguiram se firmar, e apenas  Rodrigo Lindoso  se tornou titular.  Bruno Silva ,  Neilton  e  Tréllez  pouco jogaram, enquanto o lateral  Bruno , mesmo com muitas partidas, não agradou.

Palmeiras

Com a expectativa de um ano dos sonhos, mas que terminou sem títulos, o alviverde foi a maior decepção do ano. Mais caro do ano, o atacante Carlos Eduardo fez apenas um gol em 19 partidas e nunca se firmou entre os titulares.  Felipe Pires (emprestado ao Fortaleza no meio da temporada), Henrique Dourado (que não foi às redes) e Ramires — que pouco jogou —também deixaram a desejar. Um dos poucos destaques positivos foi o centroavante Luiz Adriano, que marcou sete gols em apenas 15 partidas, e parece ter resolvido o problema do ataque palmeirense.

Santos

O maior acerto do alvinegro praiano esteve no banco de reservas. O argentino Jorge Sampaoli aproveitou ao máximo o elenco que tinha em mãos e conquistou o vice-campeonato nacional. Em campo, o venezuelano  Soteldo  foi o destaque, superando as expectativas e se valorizando. Vindos de empréstimo, Marinho e Jorge também fizeram boa temporada. Por outro lado, o alto investimento em  Cueva  não teve retorno: poucos jogos, atuações abaixo do esperado e problemas extracampo, que culminaram com o afastamento do atleta, que custou mais de R$ 27 milhões ao clube.

São Paulo

Investindo menos apenas que Palmeiras e Flamengo, o São Paulo foi umas das maiores decepções de 2019. Nomes como Pato ,  Hernanes  e Pablo deixaram a desejar e custaram cerca de R$ 41 milhões . Os destaques positivos vieram de empréstimos, casos de Tiago Volpi (que deve ser adquirido em definitivo), goleiro menos vazado do Brasileirão, e  Vitor Bueno , titular com Fernando Diniz, mas com contrato até dezembro de 2020.

Vasco

Sem grande poder de investimento, o Vasco foi atrás de negócios de baixo custo e se ancorou em contratos por empréstimo. Pescou nomes importantes para a temporada como Richard , Marcos Júnior e Rossi , mas enfileirou decepções como Claudio Winck , Raul Cáceres , Marquinho , Valdívia , Sidão , Yan Sasse , Lucas Mineiro e Jairinho — os três último liberados pelo clube em meio à temporada. A grande contratação foi o colombiano Fredy Guarín , que não tem permanência definida para o ano que vem. Ribamar e Danilo Barcelos tiveram bastante espaço na temporada, mas foram contestados pela torcida na mesma medida.

Destaques positivos

Pelo Bahia, Artur , emprestado pelo Palmeiras, fez ótimo Brasileiro, tanto que será reaproveitado pelo alviverde em 2020. No Ceará, o início de temporada de  Thiago Galhardo foi promissor, mas a irregularidade da equipe no segundo semestre foi determinante para a queda de rendimento do jogador.

Também na parte de baixo da tabela, o rebaixado CSA acertou com o meia/ponta Apodi , um dos poucos destaques no ano. Quarto na artilharia do Brasileirão, com 13 gols, Wellington Paulista foi fundamental na boa campanha do Fortaleza, que terminou na nona colocação.
 

Destaques negativos

Mesmo em uma equipe fraca tecnicamente, Camilo sequer conseguiu se firmar entre os titulares da Chapecoense. Outros nomes experientes como Nilton (CSA),  Douglas (Avaí) e  Gum  (Chapecoense) também decepcionaram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TV Prefeito
%d blogueiros gostam disto: